6.7.10

Tá sendo eclipse? Luz nas raridades!

Se tornar eclipse pra si mesmo é se polpar do conhecimento... ;)



Sabe, por mais que hajam críticas eu serei sempre uma fã invicta da Saga Crepúsculo... já passei minha fase adolescente, admiro também os clássicos da literatura mundial e brasileira e não acho que precise comparar estilos para me permitir estar atualizada e apaixonada, de forma que após "comer" os quatro livros de Stephanie Meyer lí até os primeiros capítulos de "Sol da Meia Noite" que escaparam na internet (previsão de ser a visão de Edward da história), estou à procura da "A curta segunda vida de Bree Tanner" e ainda  assisto  a releitura nos filmes...

Não por lendas de lobisomens e vampiros, muito menos a INOVAÇÃO que permite vampiros sair ao sol, brilhar como cristal e ser "do bem"... não é a ficção ou os efeitos perfeitamente especiais e que realmente são irreais... o que me prende é a ADAPTAÇÃO, o me permitir enxergar a possibilidade de características humanas nos personagens...

Aí, pra aqueles que gostam da saga, especialmente entre as mulheres, entra a questão: com qual dos belos eu ficaria? Eu, sem sombra de dúvidas responderia EDWARD CULLEN, sem receio ou medo de arrependimento...

- Esse cara é gay!

E essa frase me chocou sabe?! Não vinha apenas dos meninos (certamente justificavel por dispeito) que me rodeavam na sala de cinema em que assisti ECLIPSE, era os risos de meninas também, as mesmas que dominantemente não mediam os urros quando Jacob aparecia sem camisa...

O fato de Edward ter nascido em séculos passados e ser vampiro, ajudam muito pra que o contexto da história seja possível... dificilmente um homem não cederia à sedução de uma mulher - amada então, vixe! -  e usaria casamento como chantagem...  mas o que me apaixona nele é a espécie RARIDADE que ele é... um homem que protege, sempre, o tempo todo... mesmo que a presença signifique constante exercício de domínio próprio e alheio.  Aquele menino capaz de se castigar e ser mal entendido, humildemente voltar e ser castigado novamente e em maior proporção. 

O que surpreende no enredo é que o "cara ideal", que tem amor incontestável, se submete a tudo pela "mulher despresível", marrenta, infantil, rebelde, "burra", vunerável,  aquela que no alge de suas incertezas e inseguranças faz-se tentação e provação,  de maneira  insistente, custando-lhe perceber que  há todo um esforço para que sua vida, que encontra-se realmente em risco,  seja mantida a salvo. 


É importante salientar que é um cara que tem todos os adereços pra conquistar qualquer mulher do mundo (ou tentar esquecer a amada virando um "miseravão", "fiel à putaria"). Um homem apaixonado e romântico, carinhoso e caridoso, sensível - não besta ou corno - mas respeitador, paciente, "família", convicto de seus princípios... que controla seus desejos e  sentimentos para que não seja egoísta a ponto de influência numa decisão que  não trará boas consequências se tomada de forma precipitadas. Um homem que sabe amar a ponto de suportar e lidar com o ciúme se for para a paz de espírito e bem estar da amada. Um homem ... em postura, razão, emoção e que dá segurança sem ser segurança.


Em contrapartida Jacob, um carinha comum... não, não costumo me bater com aquele físico perfeito em toda esquina apaixonado por mim, mas do que adianta um físico e um intelecto altamente centralizador?! Até onde há importância numa totalidade física? O que me faria continuar seguindo a mesma vida por ele? A vontade dele? Não estou dizendo que ele não ama a Bella, mas que acima do amor está seu orgulho ferido, sua competição, sua exigência de que ela faça o que ele quer não mostrando-lhe o fato de uma possível conformação... tem que se exaltar e magoar de alguma forma (verbalmente no caso), agir como um guri mimado que joga baixo e sujo pra alcançar o que quer... pra quê? ser viril? demonstrar masculinidade? que é quente?

Sabe, gelo consegue queimar! E Edward queima com o coração, com os olhares, com as palavras doces e coerentes, com beijos sofridos e curtos simultaneamente tão sexys, com roupas compostas que levam ao cativeiro da curiosidade, com a presença mesmo que calada  e suficiente pra mudar a aura de todo ambiente.

 Fácil encontrar homens apenas para satisfazer desejos físicos, raro é achar qualidades afetivas... o que, além do desequilíbrio "de gênero", torna comum achar mulheres independentes e interessantes, solteiras atualmente.


Todo homem devia aprender com Edward, decorar algumas  de suas frases antes de casar... s:
- Se eu pudesse sonhar, sonharia com você!
- Eu não viveria num mundo em que você não exista...
- Cuide do meu coração, deixei com você!
- Despedidas de solteiros são  feitas para aqueles que lamentam o fim de seus dias de solteiro. Eu não poderia estar mais ansioso para deixar para trás os meus. Então isso não faz sentido algum.


Meninos/homens eu indico pra vocês também e especialmente, àqueles que teimam em não se dar a chance (é tão lindo encontrar os que já leram ou os que acompanham no cinema!) porque, acordem, tem a história tem tido aval da maioria feminina.


4 Comentários:

  1. http://www.ambrosia.com.br/2009/02/05/stephen-king-critica-criadora-de-crepusculo/

    ResponderExcluir
  2. Jonas,amei a intervenção...isso mesmo, vamos "discutir"! Bem, muito me admira que um autor como Stepheh King se preste à uma crítica descabível dessa. Nunca imaginei que o autor de "A espera de um milagre", dentre outros clássicos do cinema que parecem tão sentimentais, soasse tão machista e anti-ético... mas até entendo que ele seja mais um dos feridos porque a Stephanie não seguiu o PADRÃO vampiro malvado, matador, sem nenhum restício de humanidade e inovou... ele preza o terror não é verdade? Estilos diferentes, assim como a comparação com a J.K. Rowling, que particularmente aprecio menos mas não desprezo; questão indiscutível de gosto! Em relação ao sexo seguro me perguntei se há alguma segurança com um vampiro...qm sabe King explique em algo dos seus terrores. kkk... Enfim, o que quero deixar é que é preciso ler pra tirar suas próprias conclusões, e tenho certeza que meninas ou meninos (mas resistentes e com pré-conceitos, acho que pelo fato da saga ter apaixonado maioria das mulheres) que se derem a chance de ler com a cabeça aberta, alheios à críticas perniciosas, não vão se traumatizar assim... ;)

    ResponderExcluir
  3. E qm disse que eu não li minha cara, li crepusculo recomendado por alguns amigos que gostaram e interessado no enredo que a primeira vista me pareceu interessante, e achei uma porcaria, além de assiti o filme que consegue ser pior que o livro. Desde do inicio me soou a um melodrama juvenil, por isso critico. A escritora é pessima, diferentemente de J.K Rowling, que soube dá sequencia a uma historia prazerosa que foi Harry Potter. Me interessei pelo enredo, que porém foi pessimamente explorado pela escritora, não julgo aqui ter um vampiro mal ou bom, existe classicos do cinema que tem vampiros do lado bom, bem por assim dizer. Eu li, diferente do q vc imaginou, e além de ser mal escrito é um livro escrito para meninas, com dramas femininos, stephenie não conseguiu o q Rowling conseguiu, apesar de ser um personagem masculino(harry) agradava os dois sexos. Bem traduzindo, crepusculo e sequencias(eu achei q acabava no primeiro, mas a escritora tinha que vender não é msm, apesar da história ter um ponto final claro em crepusculo)são pessimos, não só por se tratar de draminhas juvenis mas pq foram pessimamente escritos.

    ResponderExcluir
  4. Que bom que você leu, não sei com qual intuito, mas se você estava disponível a gostar já é ótimo, não gostar já foi questão de gosto e isso é inquestionável. "Juvenil"... acho que todo mundo consegue ser sabe?! O que é ser adulto quando se trata de emoções?! Tem razão nisso? Porque se você der o livro a sua mãe ela pode amar a história e ficar presa no enredo que ao meu ver, soube sim ser bem sequenciado. Não concordo com o fato de serem livros "femininos", tenho amigos HOMENS, e que só acrescentaram minha crença em raridade, que gostaram da Saga e até concordaram que Edward sabe lidar bem com uma mulher. Acho que a questão feminina fica no romantismo, o que quase não se encontra no mundo "masculino" atual e a partir daí o desinteresse no assunto, que faz julgar a literatura como feminina. Eu não estou dizendo que todas as mulheres que gostaram da saga acreditam em vampiros ou esperam por um homem com as características de quase "santidade" de Edward...estou falando que é possível desenvolver algumas das características e esse ponto será sempre uma discussão...como a paixão masculina por futebol, questinada por tantas mulheres, sim, pq se fossem mulheres que corresse atrás daquela bola, mas são 11 outros homens não é?! (EU GOSTO DE FUTEBOL) Enfim, a saga tem um embasamento sentimental a acrescentar, Stephanie tem talento e o sucesso vem comprovar... também gosto muito de JR(por questão de gosto, gosto menos), diferenciando o bruxinho dos vampiros do bem.

    ResponderExcluir

 
- See more at: http://www.ecleticus.com/2011/10/slide-que-funciona-automatico-no.html#sthash.CKrB3I8o.dpuf