31.8.10

Brincávamos...

e lembro-me como se fosse ontem, diferente da lembrança da última briga... no sofá da sala de visita, eu dirigindo com uma tampa de panela e uma colher de pau (só queria ser a comandante, vixi!) enquanto no "banco de passageiro" era dele os barulhos  propícios... foram tantos os momentos vividos, nele sempre visível o brilho, seu talento nato em ritmos,  e nem sei porque desistiu daquela bendita gaita (hoje eu acredito no violão!)... coisa era imitando Claudinho e Buchecha (hoje, amém que o mundo perdeu um dançarino pra Jesus!).

"Sabe, Thurururu, eu sou louca por você!", e não tinha jeito melhor de falar do meu irmão, aquele que eu amo com um tipo de veneração e motivo mais latente da afloração do meu instinto maternal. Minha mãe cansava de explicar aos professores que não era seu pedido que eu passasse todos os meus "recreios" infantis na salinha primária do meu irmão, era simples, eu não cansava de ficar perto dele não! Talvez por isso, ainda que ele quebrasse metade dos meus brinquedos eu ainda não ligava em emprestar, talvez por isso também que por  mais que ele puxasse meus cabelos e me batesse eu ria e sempre acreditei ser mais forte porque ele não tinha força pra me machucar... talvez por isso eu sempre fiz questão de que  ele conhecesse e gostasse dos meus amigos e passei a adotar os dele, porque como irmã mais  velha o fardo de sair com ele seria bem mais fácil de carregar. Kk.



 Morri quando ele quebrou o braço em pleno dia do meu aniversário e mesmo que a partir daí  viesse uma sequência de ombro, calcanhar, punho, joelho, dedo do pé e da mão, isso não foi motivo pra calejar meu coração, não sofria tanto quanto (na verdade nunca soube que dor é essa),  mas a vontade que me dava era lhe proteger do mundo então. Meu irmão nunca foi do tipo de se posicionar, resolver, explicar, discutir... nem eu, mas por defesa tive que fazê-lo por muitas vezes.



 Já amedrontei coleguinhas, já pertubei pra que dormisse sozinho no escuro pra que não crescesse com um medinho de escuridão, já inventei desculpas de horário lhe polpando de uns belos suculavãos... já fui punida quando ele tava errado, mas isso não diminuiu  minha paixão.





É mais novo, mas com ele aprendi muitas lições! Um fato infantil que me marcou foi quando ele com um furunculo no ouvido e teve que operar sem anestesia com 3 aninhos de idade, qualquer um poderia imaginar o quanto doia... no lugar dele eu teria dado o maior trabalho, mas ele foi a mais forte das crianças já encontradas, saiu da sala parecendo Dumbo (orelha inchada), calmo, sem escândalo, e durante o percurso de volta  pra casa  cantava uma inesquecivel canção: "Sou muito rico, sou 'milonalhio', eu tenho 'Kisto', eu sou feliz, aqui no mundo não tenho nada, mas lá no céu tem um palácio para mim,  TÁN TÁN!"  (buchechudinho mais gostoso da mana!)

Hoje a gente não mora junto, Lanninho (Naninho, Nan, Ninho e uma sequência de irmã...) virou Lannão! Enorme...o desgramado do menino levou todo o tamanho genético, sem dividir. Unf! Um gato, sem bajulação nem promoção (não vendo, não empresto, muito menos dou de graça!)... ahh, e o nome, Lanner, foi eu que escolhi porque teria que ter as iniciais do meu nome! :D. 

Sim, hoje o "moreno alto, bonito e sensual" :P não mora mais do meu lado... mas a distância  não diminuiu 1% da aproximação, do quebra-galho, da amizade, cumplicidade, comunhão... ele tá aprendendo a gostar de falar no telefone e por mim, seja por qual for o lugar, eu tenho mesmo é que saber detalhesinhos de como ele está! /informantes não faltam. hahahá! (66'
PS. Alerta meninas: quando eu estou por perto, minha mãe nem precisa se manifestar, tenta alguma graça! :P

Quem nunca me ouviu falar “que saudade do meu irmão” não me conheceu pós vida longe de casa (antes eu só citava ele em todos os "causos" mesmo), e mesmo aqueles que me ouviram citar uma ordem meio embaralhada de saudade, do tipo “de mãe, pai, cachorro e irmão”, percebem logo após o carinho irradiando no brilho dos olhos ou uma ligação em que "manamente" eu dava broncas por seus ataques culinários ou cobrava uma visita. 

A verdade é que a gente cresceu, não briga como sempre, mas se ama e brinca como nunca. Já nos deparamos com inúmeros descrentes quando observavam nossa relação de cumplicidade, mas não é normal nem gosto de ficar mal com ele. É legal poder responder que nossa união não é farsa, podemos salvar a normalidade de briga entre irmãos e  disso nossos pais tem muito do que se orgulhar...


Enfim, mexa comigo, me grite, me xingue mas não trisque nele não! Ele é gigante mas continua sendo meu irmãozinho. Se eu cobro muito é só por que quero vê-lo cada dia melhor, feliz,  saudável, inteligente, gentlerman e bem acompanhado, claro! :P 

Pra maioria das pessoas que tiveram a sorte de ter um irmão, desejo que tenham histórias como as minhas. Não somos uma dupla perfeita, mas ele se importa comigo e eu com ele.  Eu sei da vida dele e ele da minha. Nós passamos por todos os momentos juntos... conheço sua palhaçada insistente e descontraída e ele meus pontos "irritáticos" como 'LaêêêS!'.  Temos diferenças, mas nos completamos muito!

 E pra terminar vou citar: "Dentro da alma, eu sinto mesmo, nem mais nem menos, amo você...  sou sua fã, sem ressentimentos, sou sua irmã!"  (Dias e Noites, Sandy&Junior). Te amo Presente de Deus. Parabéns!

obs.: se quiserem completar minha homenagem com depoimentos próprios, sintam-se a vontade! ;)



8 Comentários:

  1. Que linda homenagem, quem conhece vcs dois realmente sabe que são assim mesmo um grude só, amigos e irmãos! Acho muito bonito isso em vcs...continuem assim...parabéns pela postagem Lay...e feliz aniversária Lanner tudo bom bjoss!

    ResponderExcluir
  2. Que declaração, que orgulho do irmão! :D

    ResponderExcluir
  3. Que lindo Lay ! adorei.

    ResponderExcluir
  4. Qu gracinhas, muito lindo o post,
    ...e o irmão também.

    ResponderExcluir
  5. Que irmã de OURO você tem, Laninho!
    Continue sendo essa pessoa super gente boa, que as vezes ultrapassa os limites nas brincadeiras e loucuras, mas que eu adoro e que me faz rir.
    Muitas felicidades!

    Bjos
    PS.: Deixe de ser nigrinha, Lay! usahsauhsauhsausah
    Arrasa nos posts, adooroo! *-*

    ResponderExcluir
  6. Vixe Lay, eu quase choro! Lindo demais...
    Poxa, duvido Lanner receber uma homenagem dessa de qualquer amor da vida dele... rsss
    Adorei...

    ResponderExcluir
  7. Quase choroo, hauhauha.
    Ô Lay brigadoo, tu tb tah cansada de ouvir que eu te amoo.
    Gostei muitoo viu? e qualquer dia desses vô TENTAR fazer uma homenagem pra vc tb.
    Te amoo muitoo. =D

    ResponderExcluir
  8. Perfeito, Lay! E muito emocionante! Claro que temos orgulho do relacionamento de vcs, aliás somos gratos a Deus por ter-nos abençoado com suas vidas, vc sabe disso. Vocês nos proporcionam aprendizado constante. É muito prazeroso acompanhar o crescimento dos dois (em todos os aspectos), mas ter o privilégio de compartilhar dessas lembranças, fala sério! é uma HONRA!
    Espero, apenas, que vc tenha aprendido que amar de verdade acarreta a responsabilidade de corrigir e às vezes, deixar que o ser amado assuma seus erros, mesmo que nos doa mais que nele.
    Parabéns filha pela homenagem, pela capacidade de abrir o coração e pelo post!
    Parabéns, Lanner, pela conquista de uma irmãzona!

    ResponderExcluir

 
- See more at: http://www.ecleticus.com/2011/10/slide-que-funciona-automatico-no.html#sthash.CKrB3I8o.dpuf