4.5.11

Lembrança

Um dia a gente aprende a
conviver com uns
e sobreviver sem outros.
(Desconhecido)


Era pra ser só mais um dia comum, mas não é. Eu ainda recordo você entrando por aqueles portões azuis do colégio cumprimentando todo mundo pelo nome. Eu ainda espero seus abraços amáveis, brincadeiras implicantes e o jeito irritante que insistia em tapar meus olhos, como se não tivesse te visto... Eu sinto tanto... muito, tanto sua ausência, muito sua falta. 

Eu ainda ouço o "tanto faz" que você constantemente respondia a todos que perguntavam a pronuncia correta do teu nome. Você ouvindo "não me chame não"  ao meu lado enquanto eu me concentrava pra fazer uma prova numa segunda pela manhã, me fazendo sorrir. E fingindo que não viu seu professor entrar na sala só pra ficar conversando comigo enquanto eu não entrasse na minha sala. E pedindo sem jeito, como se precisasse, a lembracinha da igreja pra entregar pra sua mãe. E  contando suas aventuras que eu teimava em achar que não combinavam com você, mas que mesmo assim me deixaram mais apaixonada por moto, velocidade e menos por muros e monitores de colégios (rs). E fico ainda intimidada  só de lembrar Matuza, Léo, Davi ou Brunninho tirarem sarro da minha cara e você escondendo tão bem sua molecagem na pele de menino sério... 

Outro dia me deparei com uma foto que havia tirado pouco tempo depois de te abraçar na finalização da peça de final de ano, consegui senti a textura da capa preta da tua fantasia, molhada pelo "dilúvio" que caia. E lí os recados do orkut saudosa do quanto você era encantador com tanto carinho, "amorzinho"... e dói, dói Marlon... Eu sei que deveria ser somente saudade e não dor, mas dói... e hoje eu queria suas histórias, manias, carinho... queria ter tido mais tempo! Não assimilei a forma como você foi roubado da gente tão cedo... Não me lembro de comentários a respeito do que seriamos quando "crescessemos", mas certamente nunca passou por minha cabeça não nos veriamos mais... e por cada "você é importante pra mim" que deixei de dizer, por cada abraço que deixei de dar, por conhecimentos que deixei de compartilhar, hoje eu também sofro. 

Não importa meu querer, o tempo nunca vai voltar. Você vai ser sempre o amigo que perdi, minha primeira perda! Dizem que passam filmes em nossas cabeças quando estamos em risco de morte e hoje eu sei que quando perdemos alguém morre parte de nós. Sempre as mesmas cenas que oro pra que sejam diversificadas no porvir...  e enquanto lembro, amplifico a trilha "Deus de promessa" que sonorizou a reunião dos alunos do colégio no salão nobre aquela semana, compartilhando lágrima inéditas, inusitadas, enlutadas... porque precisavamos de ânimo, da lembrança que a gente sobreviveu. E na prática a gente percebe que o amor é nosso bem mais precioso.  Cada mesquinharia, cada orgulho, cada receio parece tão vago... e eu consigo sorrir com o coração apertado quando relembro a última e única lembrança que fiz questão de ter, nada palpável. Tem significado toda vez que ainda passo por teu perfil no orkut e leio "AmAnDo mTo, MtO FeliZ!" 

Você já expressou o valor das "suas" pessoas hoje? 

0 Comentários:

Postar um comentário

 
- See more at: http://www.ecleticus.com/2011/10/slide-que-funciona-automatico-no.html#sthash.CKrB3I8o.dpuf