25.4.12

Independência feminina

"Então ficarão longe de nós os competitivos,
 os que sonham com mulheres submissas,
 os que não são seguros de si."
(Marina Colasanti)

 Dia desses alguém confessou que me vê como uma mulher independente demais, daquelas profissionais bem sucedidas, de sucesso, e não falou muito além disso. Bem, fiquei entre o "desculpa, essa pode ser eu", mas preferi o "amém" de praxe, calando a aceleração de pânico no coração: "meu Pai, se todo mundo me enxergar assim, eu tô f#...rita!" Imaginei alguém sem acompanhante nas festas de final de ano.

Lembrei que, com teor de quem afirma, já me perguntaram até se eu era geniosa, e agora eu penso: acaso fui eu quem foi pra rua queimar sutiã, pedir pra ser eleitora, dividir as despesas de uma casas, ter jornada dupla ou até mesmo ter opção de escolha matrimonial? Não, não fui eu... nem ao menos faço parte de algum grupo feminista, mas já que tenho privilégios que, inclusive acho muito dignos e interessantes, me permito gozar!

Gosto mesmo é de aprender "me virar" em coisa que posso precisar, e tenha condições de fazer, porque ora! trocar lâmpada, móveis de lugar, resistência de chuveiro, fusíveis, deixa alguém menos feminina?! Eu gosto de me locomover sem precisar de motorista. Acho que sou capaz de ser completa para ser plena quando encontrar alguém que me transborde.

Não me importo em viajar ou ir ao cinema sozinha. Por vezes até prefiro! Acho interessante saber o máximo que puder, inclusive sobre futebol, marcas ou peças de carro. Morar só talvez seja uma experiência que todos deveriam passar... mas, ahh! alguma coisa de "anormal" nisso?

"Porra-louca", desamada e anti-sentimental, alguém desconcertante - soava em minha aura. Que assusta com verdades e dificilmente será suportada em amor - seria uma praga?! Cara, quase fiquei depresivamente triste! Eu sei que pensei o que muitos podem pensar... e semelhante a muitas colegas igualmente analisadas, para mim esse "pré-conceito" não encaixa.

Porque, pasmem, eu quero alguém também! Preciso de apoio, de presença, de atitude. Preciso de alguém que me enxergue além da superfície, reduza as distâncias. Preciso de atenção e... eu choro quando necessário! Eu tenho dúvidas. Eu erro! Eu preciso de incentivo e odeio regulagem, mas as vezes também preciso disso. Eu sou viciada em dengo e mimo. É, sou quase uma muralha de concreto, não é?! (Me desculpem os bons entendedores, preciso salientar irônia).

Não preciso depender de alguém para querer constatemente sua presença e, me doar. Não me considero menos sensivel ou amorosa por ter poder de escolha, livre arbítrio e expressão, expressar opinião, ter reservas para confiar...

Não quero ser como tantos outros, sós; quero apenas viver sem ter que esconder que onde, como e com quem estou, é porque eu quero. Em outras palavras: "Não preciso de você, te amo!" - É. Mesmo assim: podendo tudo. Apesar de ter domínio de mim mesma, quero dividir.

2 Comentários:

  1. Lay, como fico orgulhosa do seu crescimento! Quão lindas palavras... Muito bem elaborado e digo de um, PARABÉNS! Sucessos sempre, como isso não é novidade, mas eu preciso dizer: VC VAI LONGE, MENINA! =D
    Deus estará sempre ao seu lado!

    By: Shay

    ResponderExcluir
  2. Shay, minha Shay! Com olhinhos brilhando: obrigada! Obrigada pelo acompanhamento, pelo incentivo, pela leitura de peso. Sem sombra de dúvidas isso me leva em frente e me cobra a melhorar sempre... Amém. Vamos, só se formos juntas. Com Ele, o impossível dá.

    obs.: não esquecendo que eu amo presença contínua e preciso de temas pra escrever, neh?!

    ResponderExcluir

 
- See more at: http://www.ecleticus.com/2011/10/slide-que-funciona-automatico-no.html#sthash.CKrB3I8o.dpuf