15.12.13

Inventando um adeus

Alterno os dedos entre teclas e as lágrimas. Não quero deixar que as lágrimas criem raízes no coração como também nunca quis me redigir.


Morada by Sandy - www.musicasparabaixar.org on Grooveshark

Sandy toca alto. Eu temo e tremo, talvez um abandono em um recomeço seja um começo forçado e frio.

Não te permiti se despedir. Te abracei, te beijei, segurei tuas mãos enquanto você se afastava. Talvez eu não aceitasse o teu esperado. Fiz minha vontade como se aquilo fosse te segurar aqui. Era estranho teu olhar daquele jeito, confirmando que a qualquer momento você iria partir, sendo eu quem iria para qualquer lugar desconhecido.

- Fica bem aqui. Cuide-se e só.

Você me interrompeu com um texto bonito...

E eu me dei conta de que talvez eu nunca mesmo vá encontrar alguém que acompanhe meu ritmo contínuo, constante.

- Não sei se consigo cuidar de tudo sozinho...

Mesmo sem força, você segurou minhas mãos, o silencio é gritante. Eu não sabia dizer com nobreza os sentimentos que você me ajudou a reerguer e eu te ajudei a reencontrar. Você tinha convicção de que nada seria da mesma forma e eu com minha mania de inventar maneiras.

Nunca mais seriamos aquelas lembranças. Queria outras. Você apenas sabia. Sem tentativa, sem esforço. Eu não recupero nada do que te entreguei e apenas guardei minhas lágrimas naquele momento, talvez previ que iria usá-las sem querer para regar meu coração.

 Não tinha segundo plano, vivi você sem pensar no depois. Não deveria ser diferente!

Você é minha pessoa. Aquela que me fez reconhecer coisas minhas, revelei o que me pertence. Você embonitou tantas noites e manhãs, ninou tantos períodos e momentos. Você me acompanhou de mãos dadas, pés no chão e resgatou o timbre da minha voz, minha valentia de mulher. Não, não quero deixar você ir. Você foi meu escolhido para dividir. Você é tão parte de mim que já não sei como me ajustar sem seu carinho e teus mimos a contragosto.Você é falta e suspense. Sinceridade furiosa. Aliado!

Você esteve consciente, nem sempre presente, já pareceu indiferente. Mas era como se dissesse “vou estar sempre aqui presente para você” - da forma mais estranha.

Ali muitos dias estavam parando, meu coração pairando e o futuro imaginado se estraçalhando.

A festa deu lugar a falta. Senti falta da tua respiração tão próxima. Aquele cafuné no meio da semana, minha companhia de leituras e ansiedade de estreias cinematográficas. Ahh, nossas viagens, as quilometradas e as cômicas... 

Eu sempre amei a forma como você me fazia encarar meus medos, me superar. Mas tudo isso se foi. Você se foi. Todo nosso baú de afetividade está sendo regado gradativamente. [Espero que brote felicidade ao invés de esperança] Os segredos confiados baixinho e no escuro morrem dentro de mim, acompanhado da saudade que em mim vai morar por muito tempo.

Agora eu já não sustento meu sorriso bonito por mais de um flash. Não me cabia te mostrar que a gente forma um casal legal e além do mais, não interessam as definições. Tudo que resta, agora, é a saudade e a distância que você se desfez. Sinto que o que foi nosso se acalmará no coração.  Apego não volta atrás, mas eu não sou mais uma, qualquer, pra ocasiões especiais. Adeus! Te tenho enquanto estivermos em qualquer lugar, um no outro.


0 Comentários:

Postar um comentário

 
- See more at: http://www.ecleticus.com/2011/10/slide-que-funciona-automatico-no.html#sthash.CKrB3I8o.dpuf