12.2.14

declar-Ação


Eu tinha mania de escrever textos bonitinhos e guardar para dedicar em aniversário, dia dos namorados, pais, mães, irmãos, amigos... datas especiais. Não sou daquela espécie exibicionista que acha que pra declarar amor de verdade tem que fazer flores caírem do céu com faixas em helicópteros, outdoors ou parar a rua com aqueles carros espalhafatosos, longe de mim... mas guardava para ocasiões especiais.

Só que... aconteciam alguns imprevistos, rs. Sofria, doía, ensaiava raiva e lembrava: poxa, que desperdício! Aquele texto tava bonitinho pra caramba! haha

ps.: Textos não são reaproveitáveis a não ser que não seja trabalhado em fatos reais e detalhes vividos de cada história... maior parte dos que guardei e reli com o tempo não faziam mais sentido.

Aprendi a lição: Assim que termino um texto dedicado - sim, porque existem aqueles que serão eternamente 'gaveta' -, assim que termino, envio! Não importa se esteja pensando que "é cedo demais pra falar isso" ou "ainda não é amor". Não importa se esteja morrendo de medo de ser taxada como melosa do tipo "mimimi". Não importa se eu esteja querendo concretizar minha tese que rege: "o que é construído com o tempo tem base mais concreta e estrutura mais sólida". Não importa se eu acredite que a profundidade do amor está no mais contido. Nem se eu ache que qualquer coisa verbalmente expressa é uma loucura de amor. Não importa! Não importa se eu ache que a pessoa vá fugir a pé para o Equador ou seja lá para onde for me chamando de psicopata... eu mando! Sem parar para pensar ou respirar muito, apenas envio.

Está ouvindo uma música e lembrou do amado? Manda o trecho. Tem tempo que não vê aquele amigo, abre mão da preguiça e bate aquele papo. Lembrou enquanto lia uma poesia? Copia e cola no bate-papo. Lembrou numa mesa de amigos? Pede uma licencinha e faz uma ligação rapidinha. Aquele desejo que bate e você repreende poder ser A demonstração, a informação necessária para fazer durar qual seja a relação de vocês.

Sabe porque? Sentimentos as vezes perdem validade. Passam, ficam guardado nas lembranças, são tão adiados que perdem a graça de ser, de acontecer. Sentimento entalado vira doença, tormento, espera. Perde o fulgor! As declarações guardadas podem nunca serem amor. [Não enquanto contarem com sua boa vontade para se expor.]

Aos que pensam que demonstrar demais cansa, enjoa, perde o valor, se engana: você se acostuma, se adapta a ser sentimental. É coisa boa! O que estraga tudo é receio, dúvida, desconfiança, enrustimento, frieza, indiferença, mornidão...

Maior arrependimento daqueles que perdem alguém, seja para morte, para o tempo, para os desaforos do destino é: "não demonstrei meu amor o suficiente", "queria ter falado que..."

Se você é do tipo que se despede com um beijo e fala um "eu te amo", congratulações... mas se não é, não deixe passar aquela vontadezinha que dá, um estalinho no peito. Por mais idiota que possa parecer, sucesso pra você! Aproveite cada lembrança que seu corpo te fornece para demonstrar afeto. Tenho dito, o amor está em simples gestos e as declarações mais bonitas são as espontâneas, fora de hora - derrubam o teto.

(Laís Sousa)

4 Comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigaada amiga, emocionada com a visita! *-*

      Excluir
  2. adorei, me reconheci e senti falta do meu sentimentalismo, das cartas de amor e de raiva também, é tão bom olhar p trás e poder dizer, eu demonstrei de todas as formas meus sentimentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há pureza de consciência melhor!

      Excluir

 
- See more at: http://www.ecleticus.com/2011/10/slide-que-funciona-automatico-no.html#sthash.CKrB3I8o.dpuf