14.3.14

Viver de amor?

 "Mulher é bicho interesseiro, com algumas exceções das adolescentes, que ainda cultivam o romantismo...". Depois que ouvi isso a vontade que tive foi afirmar: "Foi-se o tempo!"

Minha afirmação não seria relacionado ao clichê do interesse, porque serem humanos fazem coisas por interesse, e isso retira obviamente as mulheres do reino animal deixando o espaço para os asnos que ainda não entenderam isso...

A afirmação estaria relacionada ao romantismo adolescente.Foi-se o tempo em que eram de um todo românticas, e de certa forma agradeço a dádiva do "precoce" de uma geração, que embora longe de maturidade ou pragmatismo, está salva da tolice, da ilusão, da ingenuidade que é entregar o coração a alguém e se submeter a decepção.

Se o mundo é racional, meu irmão, o romantismo é momentâneo e não estação.

Se mulheres alcançaram o ápice em que se ficam exaustas do poder de exercer múltiplas tarefas e têm a liberdade de não ter que negociar suas escolhas de felicidade, devem estar aptas a exercer também razão além da emoção.

Não é com prazer que afirmo que nos dias de hoje viver de amor é retrocesso.

Não estou falando que parceiros devem ser escolhidos por conta bancária, mas se independentes financeiramente, nós mulheres podemos assumir o posto de prover o lar, não há nenhum pecado em escolher alguém que tenha as mesmas pretensões, interesses, objetivos de igualdade, que nos valorize e reconheça como mulheres para que sejam reconhecidos como homens, que também podem ser delicados, sensuais e bancar viagens, presentes e despesas extras. Questão de interesses? Claro!

É por interesse que mulheres não escolhem tutores e muito menos optam pelos inseguros que se infantilizam. Hoje em dia não é amor que sustenta uma mulher, independentes, nós queremos ser amadas, de fato!

Laís Sousa

0 Comentários:

Postar um comentário

 
- See more at: http://www.ecleticus.com/2011/10/slide-que-funciona-automatico-no.html#sthash.CKrB3I8o.dpuf