2.4.14

Ato ou Efeito de Estuprar


"Eu não mereço ser estuprada!" - E se virou modinha sou adepta daqueles que acham que foi a melhor campanha já lançada...

Antes mesmo de estar em alta, li uma reportagem (não sei aonde - nada convincente, não é? me desculpem) que me chamou atenção. Sobre a Síndrome de Estocolmo, em que a vítima é envolvida pelo agressor. Contava o caso de uma adolescente que se apaixonou pelo seu "estuprador". Ela não queria prestar queixa até que ele lhe "largou". Ela não foi liberta porque se pudesse permaneceria com ele, ele largou!

Não vou discutir aqui se ela estava "vestida adequadamente" ou achava que merecia passar por aquilo. Por mais "desconfiável" que seja a conduta e interesse das adolescentes de hoje, não cabe a ninguém julgar - sobre o corpo dela, ela e somente ela detém o poder. Apenas acredito que toda espécie de violência é brutal, mas nenhuma tão arrogante quanto o estupro. Talvez, por mais encantada que tivesse e exatamente por isso, ainda não fosse a hora daquela menina entregar sua virgindade. Virgindade no sentido de compartilhar sua intimidade, construir vínculo, se sentir "parte" de alguém. O cara, que apenas simpatizou pela vítima, não tinha consciência para se responsabilizar por algo mais além do seu instinto físico. Talvez nem saiba o que é sentimento, nunca foi "sentido" antes.

 Estupro é um ato extremamente petulante, contra vontade, onde não existe respeito, não existe comoção e tem consequências além das marcas, como não?! As vezes se gera filhos que, ainda por lei, devem ser gestados. É penetrante, invasivo, irreversível.

Não quero tirar o foco da sociedade machista em que nos criamos, menos ainda desvalorizar os danos causados pelo ato, no entanto, para este texto me apeguei ao estupro em si de uma forma mais ampla. Parei para pensar que o estupro não se resume ao hall do sexo, do instintivo, do físico, do trauma, do descontrole masculino. O estupro é desumano e tão egoísta que é possível estuprar sonhos também.

Se estupra planos quando se cativa ilusões, se estupra carisma com enganação, se estupra a alma com transgressão, se estupra sentimentos com agressões... e não são só as físicas não, são as psicológicas: É o carinho desprezado, rejeitado, rompido, corrompido, trocado... é a confiança traída, é quando amar ganha gosto amargo.

Você se sente... estuprado!

Por isso, aos que se entregaram ou se deixam entregar, mesmo que por livre arbítrio, e depois se
deparam com o "parceiro errado", eu comparo: foi estuprado! Amor só deveria ser lícito se correspondido. O desejo instintivo, a falta de responsabilidade, a falta de sentimento faz culpado! Não se trata de levianamente se fazer de vítima, mas alivia a dor de ter sido... deliberadamente usado, sabe?! Tanto homens quanto mulheres, em especial... usados!

É que as vezes, num lacre, num gesto, num vínculo,  numa concessão, consentimento, se consuma para toda vida aquilo que se fez crível como fato, mas não era. Ninguém se entrega pra ser estuprado. A gente relaxa e goza quando por diversão, emoção ou impressão tem suposta consciência de que existem dois envolvidos no ato.

O que é puro e de verdade não é passageiro, tampouco acaba, deixa marcas, dores, vácuo; Amadurece, acrescenta pra preencher e não se retirar. Quem ama não abandona e nem se enxerga mantido em cativeiro!

- Isto não é sobre sexo, é sobre violência. E eu não mereço...

0 Comentários:

Postar um comentário

 
- See more at: http://www.ecleticus.com/2011/10/slide-que-funciona-automatico-no.html#sthash.CKrB3I8o.dpuf